Capitulo 44.

22/09/2010 20:00

Ele foi pontual. Os coxixos foram além da conta e começaram antes mesmo de ele bater a porta atráz de si. Sentou na cadeira luxuosa que ficava de frente para mim. Salvei alguns trabalhos e me dispus a ouvi-lo.

-Tenho muita coisa pra te falar, mas prometo que serei breve. -O olhei, encorajando-o a continuar. -Andei pensando no mal que lhe fiz, e há noites não consigo dormir. Algo me incomoda e me tira o sono, algo me perturba e quando sonho, até lá a culpa me persegue. Eu consegui me vingar de você, mas isso não me trouxe a paz que eu esperava. Então, sinceramente e de coração queria te pedir perdão por tudo o que eu fiz na sua vida. Eu acabei com o teu namoro e hoje vocês estão afastados, mas eu sei que se amam. Ele te ama muito mais do que eu já te amei um dia, eu só queria fugir da dor de ter perdido a Sharon, e aí você apareceu, mas... Ele te ama completamente, simplesmente pelo o que você é. Não está fugindo de nada. Então, se puder, queria o seu perdão. Se não puder me perdoar agora, eu entendo, mas só quero o seu sincero perdão. Quando estiver apta a isso, me procure. E... quero continuar conversando com você, normalmente, como amigos. É isso que eu queria lhe pedir. -Ele esperou meu grito e meus desaforos e se surpeendeu.
-Eu te perdoo. Tudo isso me fez um bem enorme, eu mudei, eu melhorei. Então, sinceramente, sem hipocrisisa, eu te dou o meu perdão. -Sorri.
-Você está brincando? -Ele sorriu e as lágrimas caíram. Nunca o vira tão emocionado e feliz daquele jeito!
-Não, estou falando sério.
-Pode me dar um abraço?

Eu me levantei e aquele abraço foi perfeito. Eu não sentia mágoa dele, e ele ficava feliz por mim e por me abraçar outra vez. Eu havia restaurado mais um laço rompido. Logo depois ele saiu, e todos ficaram impacientes, vi Taylor perguntar alguma coisa, mas não foquei-me em na resposta. Pensei em Zac.
Eu não poderia exigir que ele aceitasse a minha amizade com Chace normal, porque apesar de ser, ele jamais a verai com outros olhos. Acho que Chace entenderia se eu preferisse não ficar tão próxima dele. É, tudo está nas mãos de Deus, então que ele tome o controle de tudo.
Trabalhei arduamente, porque a divulgação da Fashion Week iria começar no domingo, e já estávamos na quinta-feira. Os comerciais estavam prontos e aprovados. Já tínhamos fechado com a empresa de outdoors, e com as revistas nem se fala! O resto da semana iria ser só reuniões e mais reuniões! Cheguei em casa exausta!

-Filha, Ash ligou. Pediu para você ligar URGENTE!
-Lá vem babado!

Ela não atendeu de primeira. Liguei umas quatro vezes, depois desisti e fui jantar. Mais tarde, quando estava estudando aguns livros e projetos para a minha monografia, Zac me ligou.

-Alô?
-Sou eu, V.
-Oi, Zac. Tudo bom?
-Uhum... cê ligou pra Ash?
-Liguei... porque?
-Eu tô aqui com ela, dois segundos... -Estava acahndo tudo muito estranho.
-Amiga... -Ela falou chorando.
-O que aconteceu Ashley?! -Soltei tudo na mesa e me levantei, preocupada.
-A Jenny... ela sofreu um acidente... ela tá morrendo! -Ela chorou mais ainda, e vi seu choro se afastar.
-Vanessa?
-Oi, Zac... -Eu estava nervosa. -Cadê ela?
-Ela não tá bem, tá chorando muito. Enfim, a Jenny sofreu um acidente de carro. O médico falou que ela estava bêbada e drogada, por isso não sabe se ela tem chance de sobreviver. Parece que um metal ultrapassou o quadril dela e provavelmente terão danos na coluana. Resumindo... Ou ela morre ou ela fica para ou tetraplégica! -Eu comecei a chorar, Jenny era só dois anos mais velha de Ashley, tão nova.
-Eu estou indo praí, qual o Hospital?
-No St. Mary, e traz tia Gina, porque tia Lisa tá arrasada aqui. -Ai, Jesus.
-Tá bom, vou ver se meu pai já chegou e vou com eles. Beijos
-Beijos, te amo -Ele disse.

Troquei de roupa o mais rápido que pude! Desci e contei o resumo da história para minha mãe que acordou meu pai e puxou Stella do computador. Fomos todos para o Hospital St. Mary. Chegando lá, só vi Scott e Zac bebendo água e conversando.

-Zac! -Ele me deu um beijo na testa e me abraçou. -Cadê Ash?
-Ela e Lisa tão falando com o médico porque Make passou mal. -Scott respondeu, nervoso.
-Teve o que? -Meu pai perguntou.
-O médico falou que acha que foi a ansiedade. Ele ficou sem conseguir respirar deireito, teve tonturas, aí resolveram deixar ele em observação, pra prevenir um possível infarte.
-Jesus! -Minha mãe exclamou. -Mas e Jeniffer?
-Muito mal. -Desta vez, Zac falou. -Está passando por uma cirurgia, pra poder tirar o ferro do quadril sem danificar muito a coluna.
-Ela pode morrer? -Stella perguntou, com medo.
-Na verdade, Stellinha, ela está morrendo. -Ele falou e depois a abraçou. Stella adorava Jeniffer, começou a chorar.

Vi Ash vindo abraçada em si mesma, sozinha no corredor. Me antecipei e a abracei. Ela chorou igual criança. Não eram só lágrimas, ela chorava mesmo. A abracei firme, queria que ela sentisse que eu estaria ali pra ficar com ela.
Quando fomos para perto do pessoal, ela ainda estava abraçada em mim. Ela explicou que tia Lisa havia ficado com tio Make no quarto do Hospital. Agora ELA teria que resolver e decidir tudo por Jeniffer. Esperamos por horas.
O relógio andava o mais lento possível, contávamos os segundos. Víamos o tempo nos desafiar e virar nosso pior inimigo. Em cada segundo eu clamava a Deus, pedia por uma solução. Pedia a vida de Jenny, e ao mesmo tempo se ela fosse sofrer muito, pedia sua morte. Mas acima de tudo, que a vontade dEle fosse feita. E que, seja qual fosse o fim de Jenny, que Ash ficasse bem. Eu não aguentava vê-la sofrer daquele jeito, me partia o coração.

-Ashley. -O Dr. chamou-a com um rosto que não se lia nada.

Ela se levantou. Scott aproximou-se, e a abraçou. Três minutos depois Ash estava chorando em seu ombro, inconsolavelmente. Fechei meus olhos e concentrei toda a minha insignificante fé em Jeniffer. Pedi com todo o meu coração, com toda a minha alma e com todas as minhas forças para que ela ficasse bem, para que ela sobrevivesse, sem danos.
Uma hora depois, Zac se aproximou, e me interrompeu para me atualizar das coisas.

-V...
-Como ela tá? -Meus olhos estavam chorosos.
-O médico veio perguntar se tinha autorização pra desligar os aparelhos.
-Ela tá viva?
-Por causa de aparelhos. Se desligar, ela morre.
-O que Ashley falou?
-Na verdade, foi Scott que decidiu.
-O que ele decidiu? -Não podiam desligar, ainda não! Algo me impulsionava a pensar assim.
-Ele mandou desligar.
-NÃO! -Gritei, o médico parou no meio do caminho.

Me levantei e corri em dua direção. Ash não entendeu, e Scott veio comigo. O médico me atendeu duvidoso da minha sanidade mental.

-O sr. não pode desligar aqueles aparelhos!
-Não há nada que possamos fazer. Tentamos tudo o que a medicina nos oferecia. Desculpe.
-E se eu disser pro senhor que ela VAI viver? -Algo se cofnirmou na minha mente. Algo me dizia que Jenny não ia morrer.
-Isso é impossível. -Ele riu de mim.
-Impossivel é uma palavra muito grande que gente pequena usa pra tentar nos oprimir. -Ele não gostou.
-Está duvidando do meu diagnóstico?
-Não, estou dizendo que o seu, não é o ÚLTIMO diagnóstico. Deixe os aparelhos ligados, por enquanto. -Ele olhou indagando Scott.
-Vanessinha, vamos acabar logo com isso. Não vê o quanto Ash está sofrendo? -Ele olhou para ela rapidamente. Estava mutilada.
-Scott, vai ser assim por muito tempo se desligarmos agora. E se Jenny viver, isso vai passar. Isso tudo aí vai melhorar, eu confio no meu Deus.
-Vanessinha....
-Mais tempo não muda nada, o que custa?
-Tudo bem, Dr. Não desligue os aparelhos... -O Dr. se afastou. -Você e seu Deus tem 4 horas. Não vou deixar ela ficar assim por mais que isso, entendeu né? -Ele foi grosso, mas eu entendi a preocupação dele.

Voltei a clamar a Deus por uma solução. Scott amparava Ash, meus pais foram ficar com Make e Lisa. Zac ficou comigo, mesmo sem entender porque eu fizera aquilo, e porque eu insistia tanto nisso. Ele apenas confiou em mim, e ficou abraçado em mim. Eu não parava em nenhum momento de clamar por respostas, de clamar por solução, principalmente de clamar por cura.
Cura, cura, cura, cura, cura, cura, cura, cura, cura, cura, cura, cura, cura.

-Van... -Ash sentou do meu lado e deitou a cabeça no meu ombro. -Você acha mesmo que ela ainda vai ficar bem?
-Eu acredito que Deus tá na frente disso aqui. Ele vai fazer o que é melhor.
-Mas tem chance de ela viver? Os médicos falaram...
-Ele é o Médico dos médicos. Eu acredito sim que ela tem muitas chances de viver, Ele pode tudo.
-Mesmo? -Ela estava com o nariz vermelho, os olhos brotavam lágrimas inconcientes, o rosto mais triste possível.
-Mesmo. -Sorri.
-Então eu quero pedir pra Ele também. Eu não quero que ela morra, V! Eu quero que Ele cure a minha irmã, V!
-Ora comigo?
-Eu não sei orar.
-Sabe. Orar é o que o seu coração quer falar pra Deus. Pra orar você só precisa deixar seu coração falar.
-Só?
-Uhum.

Em pouco tempo, estávamos nós duas orando. Eu ouvia os soluços inconsoláveis e as palavras trêmulas que ela balbuciava. Ela estava tendo fé, estava acreditando, estava entregando a vida de Jenny á Deus.
Foram horas de clamor. Não nos mexíamos, só acreditávamos. Senti Zac se levantar do meu lado e abri os olhos. Scott e ele conversavam com o médico que falava rápido e incrédulo. Não a atrapalhei, apenas me levantei com cuidado e fui participar da conversa.

-Notícias? -Perguntei.
-O coração dela está batendo sozinnho, é incrível! -Ele falava sem crer. Eu comecei a chorar e rir ao mesmo tempo.
-Então não precisa de aparelhos?!
-Precisa, ela ainda não está conseguindo respirar. Mas isso é uma questão de tempo...
-Ela vai ficar bem, Dr.? -Scott não acreditava.
-Bom, não totalmente. As lesões na coluna são permanentes, ela irá ficar paraplégica. -Ele falou um pouco menos entusiasmado.
-Mas o importante é que ela está viva! -Disse. Scott me abraçou chorando.
-Obrigado, Vanessinha. -Ele sussurrou.

Fui falar com Ash, e não precisou muito para ela derramar lágrimas, agora de alegria e agradecer a Deus. Ela tremia e quase não acreditava, e ninguém tem idéia da alegria que brotou em mim quando vi aquele sorriso expontâneo outra vez. Todos estavam completamente radiantes.
Ashley foi dar a notícia aos pais, que ficaram muito felizes. Deus tinha um propóstio pra tudo. Ele queria mostrar para Ashley o quanto que ele podia fazer por ela, e o quanto ele a amava. Queria ensinar pra ela tudo o que me ensinara um dia. Eu senti que ela estava aberta á isso. Foi uma madrugada massante.
Apesar de não querer, Ash me fez voltar pra casa, porque ela não ia trabalhar, mas eu iria. Voltei com Zac, pois meus pais já haviam ido, com Stella.

-Incrível. -Ele mencionou.
-É, acho que vou ter que agradecer pro resto da minha vida! -Eu disse rindo.
-Acha mesmo que foi Deus? -Ele estava confuso.
-Quem mais? O médico desistiu dela, disse que não tinha mais jeito. Eu tenho certeza que foi.
-É... mas é... estranho. -Ele me olhou com dúvida nos olhos.
-Parece que o conceito que você tinha estava um pouco errado? -Falei e ele entendeu que eu também passara por isso.
-Talvez muito errado. -Ele sorriu.

Antes de sair do carro, ele me deu um beijo na bochecha. Mas foi diferente. Eu senti que algo foi quebrado ali, alguma coisa que o impedia, que o repelia. Simplesmente foi quebrada. No afastamos e ele acariciou meu rosto com meiguisse.

-Posso te levar pra London amanhã? -Me surpeendi.
-Ã?
-É... ou, você vai com alguém? -Pude ver o nome de Chace pulsando na sua mente.
-Tenho ido com o cobrador do ônibus. -Ele viu que eu percebi sua suposição.
-Ok, te pego ás 8.
-Estarei esperando. -Sorri envergonhada.

Entei sorrindo em casa. Em apenas uma dia, Deus tinha movido dez mil coisas, para que vinte mil se acertassem. Isso era simplesmente fantásatico. A cada dia parecia que tudo melhorava, que tudo progredia. A cada dia eu sentia mais vontade de conhecê-lo mais, mais vontade de estar perto dEle. É, tem gente que passa a vida toda tentando atravessar o arco-íris e achar o pote de ouro, outros passam a vida toda em busca da felicidade. Queria poder dizer pra todos eles que ela sempre esteve ao lado deles, era só eles pararem de olhar pra frente ou pra trás, apenas precisavam olhar pro lado.

--x--

Gooooooostaram? Espero que sim (= Amei os comentários de coração <3 Pra quem quer me seguir no Twitter, eu aviso lá as coisas sobre os capítulos e tal, então tá aqui: @rutecmuniz Pra quem ainda não conhece meu blog pessoal, dêem uma olhada e comentem lá também: http://palavrasjust.blogspot.com Pra quem ainda não conhece o Storys Of Zanessa, a história já acabou, mas vale a pena conferir: http://zanessa18.zip.net
Agora, sobre a nova história, BAM BAM BAM! Bom, não vou falar muito, pra ser totalmente surpresa, mas como a Vanessa (Dona do Storys Of Zanessa) já disse, ela que iria publicar, mas como ela fechou o blog, e eu fiz a maior parte, ela me deixou publicar aqui. Então, depois que acabar MAIO, pela votação, vocês escolheram justo essa história! HEUEHUEHUE Então depois de MAIO vem Committed!

Beijos s2

—————

Voltar