Capitulo 30.

05/06/2010 12:24

Na porta do meu quarto, já estávamos aos beijos. Mas calma, eu não sou a safada, a depravada, nem a enganadora de mãezinhas. Eu realmente iria ter uma converssa séria com ele, eu juro que essa era a intenção. Mas.. e como sempre na vida tem um mas.. ele foi inteligente. E como eu sou loira por dentro, nem reparei o jogo do malandro. 

-Vem, eu não quero te desmoralizar na frente da sogra. -Eu disse rindo, cheia de mim. 
-E você acha que eu tenho medo de ser desmoralizado? -Ele parou e me desafiou.
-Ah, é? Tem medo não? -Eu o olhei, vendo se ele realmente ia continuar querendo pagar mico, afinal quando eu falo eu cumpro.
-Tenho não, lararalarara. -Ele me desafiou eu não ia deixar por pouco. 

Quando voltei da porta do quarto para a beira da escada, ele me puxou de um jeito que nem deu tempo de raciocinar, quando eu dei por mim, já estávamos nos beijando. Quando ele me abraçou forte e colocou a mão na base das minhas costas, eu percebi que o resultado não ia ser dos mais santinhos.
Sabe.. eu tava brigando mais pra agente fazer as pazes depois bem bonitinho, então bem que agente podia pular a briga e ir logo pras pazes, né? 
Então voltando, na porta do meu quarto, já estávamos aos beijos e as blusas quase fora do corpo. Ele me suspendeu, e eu amarrei minhas pernas na cintura dele. Sempre aos beijos, quando entramos no quarto, fechei a porta com força, pra minha mãe pensar que a briga tava feia. 
Ele beijava meu pescoço e subia minha blusa enquanto me alisava. Ficamos um bom e óóóótimo tempo nos sustentando pela parede, ele realmente sabia me deixar louca. Ele me girou, e me pôs na cama. Ele me olhou nos olhos.

-Nunca duvide da minha fidelidade, você é a única pra mim. -E me deu outro beijo.

Na hora eu não reparei no peso das palavras e me deixei levar pelo momento. Eu só conseguia me sentir amada, quando era com Zac. Porque eu me sentia uma pessoa, e em cada gesto tinha sentimento.
Eu tinha me livrado do meu passado com manchas, ou assim pensava.
Era claro e o sol esquentava minha pele atraves da janela, quando gradualmente em conciência fui sentindo beijos que vinham da base das minhas costas até meu ombro, chegando ao meu rosto. Eu me arrepiava a cada um deles, que entravam em contraste com a minha pele gélida. Foi perfeitamente explêndido quando abri meus olhos e vi seus olhos azuis que sorriam pra mim. 

-Eu te amo. -Eu disse como se fosse um bom dia diferente, um bom dia tipo 'obrigada por estar aqui, agora sei que meu dia vai sorrir'.

Ganhei um beijo. Um gesto vale mais do que mil palavras, é. 
Pouco tempo depois, ouvi duas batidas da porta, a porta não abriu graças a Deus.

-Vou trabalhar, tem almoço na geladeira. E você tem aula e trabalho hoje, tem meia hora se não quiser se atrazar. E Zac, Starla ligou. 

Ouvi os passos se afastando e nós dois tivemos crises de riso. Mas depois percebi que ela podia ter entrado no quarto antes, ai que vergonha! :$ 
Eu não tava nem aí pro trabalho, queria curtir meu namorado pelo menos por mais dez minutos, acho que eu tenho direito né? ¬ Ficamos abraçados enquanto ele falava como eu ficava mais bonita sem maquiagem. 

-Que mentira, isso foi uma idireta tipo: Vanessa vá colocar alguma coisa no rosto. -Eu disse brincando, mas como toda brincadeira tem seu fundo de verdade né.
-Claro que não! Você fica mais bonita assim, sem os dois quilos de sombra, blush, e blablabla. -Que lindo! *-*
-Mas a maquiagem dá uma beleza pra mim, é pra você poder se exibir pro seus amigos! -Rimos juntos e mais duas batidas na porta. 
-Ok, isso foi um: Vanessa vá tomar banho. -Ele disse e rimos mais uma vez e fomos tomar banho.

Eu estava completamente feliz. Mas, não sei porque.. as palavras dele ressuscitaram no meu pensamento. Nunca duvide da minha fidelidade, você é a única pra mim. Eu só senti o peso agora. O rosto de Chace apareceu na minha mente como um lindo pesadelo. Eu tremi. Nunca fui muito intuitiva, mas eu podia sentir que meu 'caso' com Chace não ia ficar por pouco. 
Saímos do banho e eu tive que me arrumar na correria. Botei a primeira roupa que vi pela frente. Ok, mentira. Eu procurei minha meia calça preta e meu sapato Peep Toe rosa chiclete. O vestido realmente foi o primeiro rosa que eu encontrei na minha frente! 

-Vanessa, se você quiser ir comigo, eu to indo agora. -Como meu namorado era chato, gente. 
-Tô indo, espera. Tô só colocando o sapato! -Quase caí da escada na tentativa de falar com ele e colocar o sapato ao mesmo tempo, é.. nós mulheres sofremos. 
-Vem logo, eu compro alguma coisa pra você comer no caminho, tô atrasado, Vanessa! -Ele odiava ir comigo pra faculdade por causa disso. 
-To descendo, calma, calma. 

Eu saí de casa quase correndo atrás dele. Mas quando ele entrou no carro e ligou-o, sem abrir a porta pra mim ou pelo menos esperado eu entrar pra ligar o carro, eu me enrraizei no chão. Demorou quinze minutos pra ele sair do carro, estressadíssimo mandando eu entrar.

-Poxa, Vanessa, entra logo! 
-Não vou mais com você, vou pegar um táxi. Pode ir e chegar cedo na faculdade, vai, anda!
-Amor, nao vai começar né? 
-Vá embora. 

Um táxi parou quando eu acenei. Zac puxou meu braço, doeu. 

-Não sei que crise deu em você hoje, vem poxa... -Ele tava falando manso agora. 
-Vou de táxi, até mais tarde. -Me soltei e entrei no carro. 

O táxi deu partida, mas ele continuou no mesmo lugar, acho que sem acreditar. Ele só entrou no carro quando o táxi virou a rua. Não quero comentar mais sobre isso, ué.. nem todos os casais são perfeitos e sem brigas. 
Cheguei na faculdade sem comer nada, e ainda ia ter que aturar Samantha. Ah, eu odeio essa garota, falei? Gr. Assim.. eu tenho a culpa na história, mas poxa.. nem é tanta assim.

-Boa dia, Vanessa. Não veio com Zac? -Porque ela insiste em falar comigo? D:
-Não, resolvi vir mais cedo. 
-Soube que foi pra NYC. Como é lá? 
-Legal. -Sorri
-Eu não gosto de fofoca, sabe, mas eu soube que o Zac andou indo para as festas da faculdade, sozinho... -Eu posso bater nela, diz que pode, diz que pode? 
-Tô sabendo, vou indo tá? Tchau, Sam. 

Ela apenas acenou e eu fui para a diretoria. Passei meia hora preenchendo um bucado de coisa pra alegar e concordar que eu ia repor todas as aulas e provas de um mês. Eu tava definitivamente lascada, concordam? É. 
Depois de ensarar a diretora, fui no Bloco C. Aí vocês dizem: Porque bloco C, se você estuda no D? Eu queria falar com Zac, caramba. Odeio ficar brigada com ele, uhu. 
Mas ás vezes eu sinto como se ele disesse: Vanessa, vamos ficar brigados o dia todo hoje? Vocês não sabem a cena, aaaaaaaaarg! Chamei Scott pra não meter a mão na cara de Zac.

-SCOTT! -Zac e Scott olharam e Scott veio alegre. 
-Pequena, como tás? 
-To bem, cê sabe quem é essa menina que o Zac tá perto? 
-É a Betty. Porque essa raiva infernal? Não olha pra ela, se não você mata a coitada! -Nós rimos, só Scott pra me fazer rir com a raiva que eu tava. -Bora lá menina, Zac ta lá e tu vai ficar aqui? 
-Quer saber? Eu vou mesmo. 

Lá vinha confusão. Até Scott sentiu isso. Só pra vocês terem noção, a Bitch estava deitada no ombro de Zac e ele tava abraçando ela, ELE ESTAVA ABRAÇANDO ELA. GRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR! Quando cheguei lá perto falei com Gê, Hector e David.. E quando fui falar com Zac, expulsei ela do MEU lugar. 

-Amor? -Antes de sentar no colo dele, avisei com meus olhos que ele ia ter que dar uma contornada ótima. -Quem é ela? 
-A B, eu te falei dela... -Ele ignorou.
-Ah, lembro. A Bitch. -Ele me olhou assustado, e a menina ficou sem graça. 
-Betty, amor. 
-Ah, eu me esqueço dos nomes... 
-Gente, sabe oque eu acho? Que agente devia ir logo pra sala, pegar uns lugares massas e pá. Mas, Zac.. pode deixar que eu guardo lugar pra você, viu? -Scott disse, sentindo que jajá eu ia explodir de raiva. 
-Precisa guardar não, eu vou pegar meu lugar. -Ele passou por mim COM a menina. Não sei porque, mas isso não me deixou com raiva. Me deixou triste. Meus olhos encheram de lágrimas, mas dei uma de forte. 
-Morra lá. 

Fui andando para o Bloco D. As lágrimas iam caindo a cada passo, e logo eu estava chorando, chorando de verdade. Não ouvi passos atrás de mim, e quando olhei pra trás ele só havia se afastado mais de mim.
Até tentando me fazer ciúmes ele me magoava. Era por isso que eu odiava minhas brigas com Zac, no final, mesmo sem eu demonstrar, ele sempre saía ganhando. 
Sentei em um banco, em frente a sala.. fiquei esperando a aula sem muita expectativa, tava rezando pra que o professor faltasse.
Ouvi uma voz chamando meu nome. Não consegui identificar o tom.

--x--

Desculpem, mas agora foi que melhorei ): Estou bem e recuperada, uhu! E venho dizer a vocês que terça-feira (15/06) estarei criando um site OFICIAL. Todas as histórias serão passadas para lá e vocês serão avisados. Juntarei lá um blog pessoal meu também e vocês poderão ver de tudo por lá, aguardem. *-* 
Divulgando: http://palavrasjust.blogspot.com (meu blog pessoal) ; http://alguemerece.zip.net (blog crítico) ; http://cristy-zanessa-paixoimpossivel.blogspot.com/ (blog da Christy).

—————

Voltar